Category Archives: tradução

Radio digital Mundial y la Comunicación Social en el Siglo XXI

“La tarea de la radiodifusión, como todo, no se limita a transmitir información, además de eso, tiene que organizar la manera de pedir información, es decir, convertir los informes de los gobernantes en respuesta a las preguntas de los gobernados. La radiodifusión tiene que hacer posible el intercambio. Sólo ella puede organizar, en conjunto, las líneas entre las ramas del comercio y los consumidores sobre la normalización de los productos de consumo, los debates sobre alzas de precios del pan, las disputas municipales. Si consideran que eso es utópico, yo les pido que reflexionen por qué es utópico. Pero, sea lo que sea que la radio trate de hacer, su esfuerzo deberá consistir en hacer frente a aquella inconsecuencia en que incurren, tan ridículamente, casi todas las instituciones públicas”. Teoría de la Radio de Bertold Brecht.

Durante más de dos años, un grupo de investigadores viene desarrollando un estudio con el objetivo de subsidiar al gobierno Brasilero, Radiodifusores y oyentes sobre las posibilidades socio-tecnológicas que el estándar DRM de radio digital puede ofrecer para la comunicación social. Varios documentos fueron producidos en este periodo, todos publicados en Internet, señalando la inmensa superioridad técnica de DRM. Se trata, resumidamente (carta de lanzamiento), de un estándar abierto, regulado por la ITU, que funciona en todas las bandas de frecuencia, que poseen el mismo codec de audio del Sistema Brasilero de TV Digital, optimiza el uso del espectro, funciona en baja potencia y consume mucho menos energía. Pensado para ser un estándar de global interés público, el DRM es el favorito de las emisoras educativas y estatales de varios países, y de a poco va conquistando nuevos mercados, combinando desarrollo económico y social.

Esas características bastarían para elegir el DRM como estándar de radio digital para ser adoptado en el país, como ya lo hicieron India y Rusia.

Sin embargo, ¡Todavía es posible mucho más!

Las transmisiones digitales de radio, así como de TV, no se limitan al transporte de señal de audio o video, sino también se vuelven capaces de emitir de datos, haciendo de las plataformas digitales que utilizan la propagación electromagnética terrestre y también Ionoférica, medios de comunicación de alta capacidad de flujo de datos: en el caso de la TV Digital, estamos hablando de transmisiones de tasas hasta de 19MB/s, o sea, capaces de viabilizar las transmisión de una película de 2 horas de alta definición en aproximadamente 25 minutos.

Pero ¿Qué quieren decir esos datos?

Cuando de habla de Internet, servicios gratuitos, como Facebook, Blogspot, Gmail, youtube, etc., generalmente se olvida que toda esta comunicación y acceso tan importante para el cotidiano de las sociedades post-industriales, depende de una infraestructura que está fuera del control de los usuarios, tales como las fibras ópticas que garantizan, con seguridad, que las operaciones serán realizados a distancia, o como los direccionamientos DNS, todavía concentrados en pocos países o grupos.

Con La Radio Digital Mundial, no sólo se puede transmitir audio con calidad de CD para nuestro y otros continentes, sino también archivos, habilitando nuevos servicios, modificando radicalmente los conceptos establecidos en la era analógica, ya que, al igual que el audiovisual, puede también ser transmitido vía radio digital, como es el caso de servicio Diveemo, que consiste en la transmisión de video vía radio. Si usted lee este post hasta aquí y visita los links, podrá imaginar, entonces, por qué los monopolios de comunicación están trabajando para evitar al máximo que el estándar DRM sea escogido por el gobierno Brasuca.

En lugar de DRM, muchos empresarios de las comunicación prefieren, el estándar HD Radio, propiedad de Ibiquity, estándar que a pesar de haber sido aprobado por la ITU, tiene su codec de audio como una “caja negra”, es secreto industrial de Ibiquity, funciona mal en la banda AM, no responde a la onda corta, no funciona bien en baja potencia, consume mucho más energía que su correspondiente DRM, además de no optimizar el uso del espectro. Como estrategia para deslegitimar el DRM, se han difundido recientemente declaraciones dudosas, inclusive por miembros del gobierno, realizando una especie de juego de palabras, como la afirmación de Genildo Lins, de que “los testeos con radio digital no fueron buenos”. El secretario de comunicación electrónica del gobierno se refiere, en realidad, sólo a los estándares que mantienen los mismos emisores de alta potencia, el HD, ya que el DRM, además de funcionar en alta potencia, responde a bajas potencias, siendo el único estándar que funciona en todas las bandas de frecuencias.

La propuesta de aplazar la decisión sobre la norma de radio digital viene acompañada de un estrategia de migrar de las radios AM (en verdad, de las emisoras AM en Ondas Medias) a VHF, acabando con la banda AM, dado que HD radio tuvo un desempeño insatisfactorio en la banda AM. Si el HD no funciona para las AM, “¡Acabemos con el AM!”, proponen las emisores comerciales.

En paralelo a la elección del estándar, se vienen realizando investigaciones con el fin de aumentar las posibilidades de comunicación, utilizando el espectro, como propone la técnica FHSS, o responder las necesidades del Espectro libre, como describió, David Weinberg, también autor de “El Mito de Interferencia en el Espectro de Radio”.

Jurídicamente, vale la pena recordar las recientes iniciativas de los gobiernos de Argentina y Ecuador que, amparados en sus constituciones, han promovido la división del espectro en tres, a fin de asegurar la complementariedad de los servicios privados, públicos y estatales de radiodifusión. Si esto sucede, esta política podría ampliar enormemente el acceso de los ciudadanos, no sólo al consumo plural de contenidos, sino también viabilizar la expresión libre y diversa de las personas, a través del Espectro libre, sintonizando las posibilidades digitales como Art. XIX de la Declaración Universal de los Derechos Humanos, ratificado en el Art. 13 del Pacto de San José de Costa Rica y presente en la Carta Magna Brasilera, en su Art. 5º.

Esperamos que este breve artículo sirva de referencia para que ciudadanos y ciudades de Brasil, de América Latina y del mundo pasen a tomar parte en la definición de la norma tecnológica de radio digital que se ejecutará en nuestra sociedades en las próximas décadas. Nuestro interés no es más que promover el debate público, en defensa de los intereses públicos, pero la fuerza de los intereses privados parece nuevamente intentar sobreponerse a lo que es mejor para todxs. ¡Contamos con ustedes en esta lucha!

As grandes diferenças entre os pensamentos Ocidental e o Oriental

Os filósofos ocidentais vêem duas grandes diferenças entre o pensamento oriental e o seu. A seus olhos, o pensamento oriental se caracteriza por uma dupla recusa. De cara, recusa do sujeito; porque sob modalidades diversas, o hinduismo, o taoismo, o budismo negam o que para o ocidente constitui uma primeira evidência: o eu, cujas doutrinas  a ele se ligam para demonstrar o caráter ilusório. Para essas doutrinas, cada ser não é mais que um arranjo provisório de fenômenos biológicos e psíquicos sem elemento durável tal como um “si”: vã aparência, levada inevitavelmente a se dissolver.

A segunda recusa é aquela do discurso. Desde os Gregos, o Ocidente crê que o homem tem a faculdade de apreender o mundo utilizando a linguagem a serviço da razão: um discurso bem construído coincide com o real, ele atende e reflete a ordem das coisas. Ao  contrário, segundo a concepção oriental, todo discurso é irremediavelmente inadequado ao real. A natureza última do mundo, supondo que esta noção tenha sentido, nos assusta. Ela transcende nossas faculdades de reflexão e de expressão. Não podemos com isso conhecer nada e, então, nada dizer sobre isso.

A essas duas recusas, o Japão reage de maneira totalmente original. Ele certamente não atribui ao sujeito uma importância comparável àquela que lhe atribui o Ocidente; ele não o toma como ponto de partida obrigatório de qualquer reflexão, de qualquer empreendimento de reconstrução do mundo pelo pensamento. Poderíamos dizer mesmo que “Eu penso, logo existo” de Descartes é rigorosamente intradutível em japonês…

Mas não parece tampouco que, sobre esse assunto, o pensamento japonês o anula: no lugar de uma causa, ela o toma como um resultado. A filosofia ocidental do sujeito é centrífuga: tudo parte dele. A maneira pela qual o pensamento japonês concebe o sujeito aparece antes centrípeta. Assim como a sintaxe japonesa constrói as frases por determinações sucessivas indo do geral para o especial, o pensamento japonês coloca o sujeito em curso: ele resulta da maneira pela qual os grupos sociais e profissionais cada vez mais restritos se encaixam uns nos outros. O sujeito reencontra assim uma realidade, ele é como o último lugar onde se refletem seus pertencimentos.

Esta maneira de construir o sujeito por fora partilhada também pela linguagem, enclina-se a evitar o pronome pessoal, seja na estrutura social ou na “consciência de si” – em japonês, creio eu, jigaishi – se exprime no e pelo sentimento de cada um, torna-o o mais humilde, a participar de uma obra coletiva. Mesmo as ferramentas de origem chinesa, como a serra ou diferentes tipos de talhadeira, não foram adotadas no Japão há seis ou sete séculos senão com um emprego inverso: o artesão volta a ferramenta contra si, ao invés de empurrá-la adiante. Situar-se na chegada, não na partida, de uma ação exercida sobre a matéria revela uma mesma profunda tendência a se definir pelo exterior, em função do lugar que se ocupa em uma família, um grupo profissional, um meio geográfico determinados, e mais geralmente em um país e em uma sociedade. Diríamos que o Japão retornou, como recolocamos uma luva, a recusa de um sujeito para extrair desta negação um efeito positivo, encontrar nisso um princípio dinâmico de organização social que a coloca igualmente ao abrigo de uma renúncia metafísica das religiões orientais, da sociologia estática do confucionismo e do atomismo ao qual o primado do eu expõe as sociedades ocidentais.

A resposta japonesa à segunda recusa é de um gênero diferente. O Japão havia operado o completo retorno de um sistema de pensamento: colocado pelo Ocidente em presença de um outro sistema, ele retém o que lhe convém e separa o resto. Porque. longe de repudiar em bloco o logos tal como o entendiam os Gregos – isto é, a correspondência entre a verdade racional e o mundo – o Japão tomou firmemente o partido do conhecimento científico; ele ocupa mesmo no país o primeiro plano. Mas, tendo sido pego pela vertigem ideológica que o aprisionou durante a primeira metade do século [passado], retornou fiel a si mesmo, abominando as perversões dos logos aos quais o espírito do sistema engendra pelo acesso às sociedades ocidentais, e que exerce suas devastações em tantos países do terceiro mundo.

Lévi-Strauss, Claude [2011]. L’autre face de la Lune. Paris: Ed. du Seuil. pp. 50-53.

Digital Radio Mondiale in the 21st Century

For over two years a group of researchers have been investigating the possibility of providing the Brazilian government, radio producers and listeners with information about the social and technical possibilities that the DRM standard of digital radio can offer social communication.


A number of documents have been produced in Brazil during this period, published on the internet [1], [2], [3], [4], [5],  pointing to the imense technical advantages of the DRM standard. In short, DRM is an open standardised system, regulated by the ITU, which works in all frequencies and has the same audio codec that the Brazilian Digital TV system operates on, and thus optimises the spectrum. It works on low potency and consumes very little energy.
Developed to become a global standard of public interest, DRM is a favourite for educational and state broadcasters in various countries, and slowly winning new markets, which combine economic development with social development.

Such a profile should be enough to elect DRM to become standard for digital radio and adopted in Brazil as Índia e a Rússia have done.

And even more is possible!

Digital radio transmissions, as well as TV, are not limited to the traffic of audio or video signals, it can also send data, turning these platforms which use electromagnetic propagation and the Ionosphere, as a means of communication with a high capacity for flux of data: in the case of Digital TV we are speaking of bandwiths of up to 19MB/s, making the transmission of a feature film in high definition possible in just 25 minutes.

So what does all this information mean?

When we refer to the internet‘s free services such as Facebook, Blogspot,  Gmail, Youtube, etc., we tend to forget that this communication and access, of utmost importance in our post-industrial daily life, is dependent on an infrastructure that is out of the control of its users, in the same way that optical fibres guarantee, with some security, that surgerys can be realized remotely, DNS address which is still centralized within very few countries.

With Digital Radio Mondiale, not only can you broadcast high quality audio within our own continent and others, we can also send files, making new services possible that radically change established concepts of the analogic era, since the audio-visual can also be broadcast via digital radio, such as Diveemo, broadcasting video footage via radio.


If you have read this post up to here and have had a look at the links, you can imagine why the communication monopolys are working against DRM becoming the Brazilian standard of Digital Radio. Instead of DRM, many communications executives prefer the HD radio standard, which is property of Ibiquity, and although aproved by the ITU, its audio codec is like ablack-box”, an industrial secret owned by Ibiquity, which does not operate well on AM, doesnt read shortwaves and doesn’t operate well on low potency, it consumes a lot more energy than its competitor DRM and does not optimise the use of the spectrum. As a strategy to delegitimize DRM, recent dubious statements have proliferated, including from members of the brazilian government, such as Genildo Lins’s claim  thatos testes com rádio digital não foram bons (recent digital radio tests were not good). The Government’s Electronic Communications Secretary is infact referring to the standard that maintains high-potency broadcasters, HD. On the other hand, DRM works well in high-potency, and attends to low-potency. It is the only standard that works on all the frequency bands.

The proposal of deferring a decision about digital radio’s standard, is a stratedy to migrate AM radios (in reality, AM and medium wave broadcasters) to VHF, which will see an end to AM bands, since HD radio has had a poor performance on the AM bandwith.


If HD doesn’t work for AM, it will be terminated, that is what the commercial broadcasters are proposing!

Paralel to choosing the standard, research has taken place in a broadening of the possibilities for communication in the spectrum, such as the FHSS tecnique, and  an awareness of the Espectro Livre (Free Spectrum).

Legally, it’s worth noting the recent government initiatives in Argentina and Equador have sustained in their constitutions, and promoted the divison of the spectrum into three, in view to ensure complementary private, public and state broadcasting. If succesful, this policy could greatly expand citizen access not only to the consumption of plural content, but enable people’s free and diverse expression through the Free Spectrum.

We hope this article will serve as a reference to Brazilian and South American citizens, as well as the whole world, to take part in defining the technology standard for digital radio that will vigor in our global society for decades to come. Our interest is to promote public debate in favour of public interest, and to challenge private interests that time again try to underestimate what is best for everyone.

We count on you in this fight!

Thiago Novaes is a Communications researcher, member of Radio Mudamuda.radiolivre.organd consultant to http://www.drm-brasil.org/.

A Lei sobre Cibercrimes nas Filipinas

Publicado originalmente em 9/10/2012: Reporters Sans Frontières.

Em 9 de Outubro de 2012, o Supremo Tribunal das Filipinas suspendeu a aplicação do “Cybercrime Prevention Act 2012” (Lei n º 10.175 República), por unanimidade depois de receber uma dúzia de petições pedindo para que se pronunciasse sobre a validade a lei. Repórteres Sem Fronteiras considera que as alterações no texto desde a suspensão da lei não são suficientes, e pedem sua revogação pura e simples. Sob o pretexto da luta legítima contra a cibercriminalidade, a proposta representa uma ameaça real à liberdade de informação. De fato, a lei incluiu no último minuto a difamação na internet entre os “crimes cibernéticos”. A organização lamenta que as autoridades tenham faltado com a transparência e não tenham consultado adequadamente a sociedade civil no processo de elaboração deste documento.

A ordem de suspensão (liminar) emitida pelo Tribunal vale por 120 dias. As primeiras audiências para analisar se certas disposições da lei violam as liberdades civis serão realizadas a partir de 15 de janeiro de 2013.

Em 09 de outubro, manifestantes se reuniram em frente ao Tribunal e chamadas para um boicote via Internet foram lançados em protesto contra a lei. Desde abril de 2012, ativistas locais e grupos de mídia expressam suas preocupações sobre as liberdades online, e realizam campanhas de mobilização. Repórteres sem Fronteiras expressou sua preocupação sobre a falta de clareza na definição do que seja difamação na Internet, tornando qualquer usuário potencialmente passível de acusação.

Muitas perguntas se colocam:

  • Um simples “gostei” no Facebook ou um comentário on-line julgado difamatório pode resultar em processo judicial? Assim como o fato de retuitar este tipo de conteúdo?
  • Um comentário difamatório em um blog postado por um visitante resultará na responsabilização do autor do blog?
  • No caso de autor anônimo, os provedores de acesso e intermediários técnicos serão julgados responsáveis por conteúdos incriminatórios, como ocorreu recentemente no Brasil? Serão então forçados a tomar medidas de vigilância intrusiva para identificar os Internautas a processar?

Nas Filipinas, a difamação é considerada um crime de responsabilidade penal e passível de prisão por até quatro anos e multa de 200 a 6.000 pesos (artigo 355 do Novo Código Penal de 8 de dezembro de 1930 (RPC)). Aplicado à Internet, as penalidades podem ser de até 12 anos de prisão e 1 milhão de pesos de multa (cap. III sec. 8, Lei n º 10.175). Os temores de um potencial abuso parecem justificados face às práticas de alguns políticos e outras figuras públicas que vêm, sistemática e continuamente, processando jornalistas e veículos de mídia por difamação nos últimos anos, para incentivá-los à auto-censura.

Promulgada pelo presidente Benigno Aquino III em 12 de setembro de 2012, a “Cybercrime Prevention Act 2012” tem como objetivo “incentivar o uso do ciberespaço” “protegendo os usuários contra o abuso e o mau uso”, disse um dos fervorosos defensores da lei, o senador Edgardo Angara.

No entanto, de acordo com os internautas citados pelo Global Voices, a inclusão da difamação na internet é um “copy-paste absurdo” que não se encaixa na internet, e que poderia abrir a porta para abusos. Os artigos repetem quase palavra por palavra a definição de difamação do artigo 353 do novo Código Penal, acrescentando que o crime pode ser cometido através de meios eletrônicos.

As Filipinas, onde ocorreu o primeiro assassinato de um jornalista em 2012, na Ásia, continua a ser um dos países mais perigosos para os profissionais de mídia, e está na posição 140 de 179 países pesquisados ​​no ranking mundial de liberdade de imprensa, de acordo com Repórteres Sem Fronteiras 2011-2012.

A Raiva e a Esperança: GlobalRevolution

Giovedì 20 Ottobre 2011 17:44

Dietro il passamontagna del 15 ottobre

Por detrás do passamontanha do 15 de outubro

Para que servem as suas convicções? Talvez para convencer os blocos negros – homens negros – a serem mais flexíveis? Blindando as manifestações pacíficas fazendo-as se proteger com cordões de segurança prontos para bater em qualquer um que se desvie das suas direções, do seu manual de comportamento – até aqui pode estar com raiva, ali não, não está bem, [afastando-nos de Scalfari e Cazzullo?] Que um movimento faça barricadas e depois chame a polícia para retirá-las – como dizia Marx sobre os alemães – é uma coisa contra a natureza.

Que um movimento tente construir simpatia e consenso em torno de seus temas é não apenas legítimo como desejável, que um movimento apresente uma opção de mudança radical não é apenas legítimo como desejável.

O tumulto não vem de Marte, não é um complô organizado de uma minoria de fascínoras. Está nele nossa distorção visceral. É o buraco negro da política, o colapso da matéria. Mas está no nosso universo.

É que se mede o desafio de uma política de mudança, na transformação da raiva em esperança, em dar à raiva uma esperança.

Roma_15ott

Che un movimento provi a costruire simpatia e consenso intorno ai suoi temi è non solo legittimo ma auspicabile, che un movimento ponga un’opzione di cambiamento radicale è non solo legittimo ma auspicabile.

Il tumulto non viene da Marte, non è un complotto organizzato da minoranze di facinorosi. È nelle nostre attorcigliate viscere. È il buco nero della politica, il collasso della materia. Ma è nel nostro universo.

È qui che si misura la sfida di una politica del cambiamento, nel trasformare la rabbia in speranza, nel dare alla rabbia una speranza.

Rádios Livres, Mídias Livres e MediaLabs

O MONOPÓLIO DE FATO

“Nós nos perguntamos: de que monopólio se trata?
De ora em diante, nós podemos responder. Por trás dos status, das diferentes situações, se esconde uma realidade única: a realidade de um poder que exerce um controle quase absoluto sobre as rádios em favor da burguesia. Por trás do monopólio legal se esconde, infinitamente mais poderoso, o monopólio de fato da burguesia sobre as ondas.
(…)
Mas este monopólio de fato não reside unicamente no controle da informação. Em maior profundidade, ele marca o lugar que o rádio ocupa na sociedade, a maneira com que ele é feito e concebido. Alto-falante da sociedade do espetáculo sedimentado da vida real. Produtor de mitos, heróis, anjos e diabos que são os totens e os tabus dos tempos modernos. Banhado por uma nuvem de tecnicismo que se quer imcompreensível, logo incontrolável, este rádio quer nos desviar da ação coletiva tentando destinar-se a cada um de nós individualmente. Ele desenvolve a rotina, a passividade, a uniformidade. Ele é o complemento indispensável do universo do cimento, do betume, da angústia e da solidão.”

“O movimento popular tem interesse em lutar pela mais completa liberdade de expressão, não só pela sua regulamentação. Deve-se então tomar a inicitiva de quebrar o monopólio legal, biombo do monopólio de fato da burguesia, e de construir nessa luta uma relação de forças tal que esse combate não seja completamente recuperado, travestido, traído no momento em que virá a codificação legal.

Segundo nós, hoje a questão de ser ou de não ser a favor do monopólio legal está ultrapassada. A questão que se coloca é de saber se a burguesia vai poder reforçar seu monopólio de fato ou se, ao contrário, o movimento popular va aproveitar essa ocasião para um novo direito, para se dotar de meios de informação e de cultura que lhes são próprios. Se nós sustentamos esta solução, não há nada mais urgente que fazer tudo para que se desenvolva e viva o movimento das rádios livres de expressão popular.”

“Em todo lugar a palvra está sendo roubada, escondida, deturpada, truncada, falsificada: aqueles que fazem a vida real, que trabalham, que lutam, que sonham são sistematicamente evacuados das ondas.”

Para responder ao confisco da palavra monopolizada pela burguesia, as rádios livres entoam seus primeiros balbucios: uma palavra enfim reencontrada. Pareceu-nos possível pegar ao revés a informação oficial e fazer com que uma outra verdade fosse ouvida, livre do dinheiro e do poder. A contra-informação, o reestabelecimento de uma verdade, é uma inquietação e um dever de expressão de uma rádio livre. Mas o jornalismo profissional em busca de um espaço livre, e lucrativo, que serve à expressão direta de múltiplas revoltas contra a opressão e a exploração mostra que tem lugar para uma multitude de projetos de rádio diferentes ou contraditórios. Tentemos levantar a ambigüidade da palavra “livre” de rádio livre, explicando o que é uma rádio livre popular.”

“Para que a expressão seja livre e realmente condizente com as práticas múltiplas, temos que recusar a delegar o poder, delegando nossa palavra: explodir o filtro do jornalismo profissional que esteriliza o vivido, explodir o filtro da linguagem política que se coloca no saber, explodir os canhões de uma estética feita para deturpar as múltiplas práticas que criarão sua própria linguagem.”

A rádio não deve ser uma empresa de informação, até mesmo de “esquerda”, que distribui os tempos de palavra parcimoniosamente, caridosa ou generosamente, mas deve ser um lugar aberto em que todas as expressões das práticas populares se apropriem e se desenvolvam. Ninguém pode se dar o direito de dar a palavra, basta tomá-la. Somente a expressão direta permite que nos demos conta de uma realidade, de um fato vivido, daqueles que os suportam e os transformam; a expressão direta é a única garantia contra as tentações de pequeno chefe poderoso que dorme com um olho aberto voltado pra cada um de nós.”

As práticas múltiplas, espalhadas, marginalizadas devem investir no espaço radiofônico para se confrontar, se confortar, se expressar, para que a multiplicidade, a diversidade se tornem a expressão de um movimento global. Se o fracionamento das práticas múltiplas enriquece o movimento por sua diversidade, ele enfraquece o impacto: sua expressão coordenada em um mesmo local respeita sua diversidade, mas amplifica sua realidade e enriquece seu espaço pela confrontação das experiências”

Práticas múltiplas e diversas necessitam de fato de rádios diversas e numerosas. Transmissores potentes aqui e ali não responderiam a essa necessidade, a palavra seria então cuidadosamente selecionada, limitada por pretextos técnicos, imperativos do tempo… e recriariam a centralização com a qual tanto sofremos.”


“Não nos deixemos impressionar pelos técnicos que replicarão: “Vai ser a anarquia sobre as ondas, vamos nos “interferir” mutuamente.” Trata-se aqui somente de argúcia para justificar “cientificamente” o medo, a rejeição, bem políticos, de assistir à tomada da palavra se generalizar. Nós sabemos que, de um mesmo ponto, mais de cem estações podem transmitir sem interferências e que dez [rádios] encontram lugar sobre um megahertz, sendo trezentas sobre a banda disponível.

Uma rádio livre popular não pode ser a bugiganga de alguns, ela deve ser parte de uma realidade do movimento: redes de sustentação devem se constituir o mais largamente possível. Essas redes podem nascer a partir de estruturas pré-existentes: seções sindicais, associações de bairro, associações culturais, grupos de mulheres, grupos de intervenção sobre terrenos específicos (militar, prisão, escola, psiquiatria, justiça…) que devem levar em conta a elaboração de transmissões de conteúdo próprio, avançando o máximo possível no processo técnico, a fim de não correr o risco de ser desapropriado de sua palavra.

Essas redes seriam múltiplas e diversas: não se trata de criar rádios de partidos que não fariam senão repetir com insistência um discurso político, mas de se situar sobre um plano mais amplo de debate onde os partidos têm seu lugar.

Essas práticas sociais organizadas não saberiam ter exclusividade sobre a elaboração da palavra, sobre as rádios livres populares: toda vivência, mesmo individual, de uma opressão, toda tentativa de outra vida, toda criação ou recriação é parte constituinte das práticas múltiplas, logo das rádios.

O espaço assim criado não é somente a expressão daquele que é contra, mas se faz eco de todas as experiências para um novo cotidiano, diferente.”

Rádios Libres, 1978